Imagens de satélites começam a ser utilizadas no monitoramento dos recursos hídricos

26/08/2019 # # # #

Coletadas diariamente por mais de 150 satélites, as imagens auxiliam na fiscalização  dos recursos hídricos monitorados pela Cogerh, conforme prevê a Legislação Estadual de Recursos Hídricos

Técnicos da Cogerh manuseiam plataforma de acesso às imagens de satélites

Técnicos da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) da capital e das gerências regionais espalhadas pelo interior do Estado receberam um treinamento, durante encontro ocorrido na última quinta-feira (22), para operar na plataforma exclusiva que utiliza a tecnologia de satélites espaciais adquirida pela companhia. A obtenção das imagens foi fruto de contrato assinado em junho passado, entre Cogerh e a Santiago & Cintra Consultoria, empresa brasileira representante exclusiva da Planet Lab, que detém a tecnologia de satélites.

Na região do vale do Jaguaribe o monitoramento sistemático é fundamental para o sucesso da fiscalização, como pontua o gerente regional da Cogerh em Limoeiro do Norte, Hermilson Freitas. “ Com pouco mais de um mês de uso do sistema, já estamos utilizando as imagens no setor de outorgas, e também na fiscalização, que é o principal ponto. E a gente vê realmente a eficiência . Você tem como fazer uma avaliação temporal da imagem e verificar irregularidades”, complementa. Só no período entre 06 e 08 de agosto, a Cogerh visitou 12 empreendimentos suspeitos de atuação irregular na região do Vale do Jaguaribe. No local, foram lacrados 05 motobombas que faziam captação irregular, prejudicando o abastecimento das sedes municipais. A Cogerh também emitiu autos de infração, embargo e termos de lacre.

“No planejamento das ações de fiscalização nós visitamos sistemas suspeitos de usos irregulares identificados nas imagens de satélite. Os sistemas que estiveram em desacordo com as premissas estabelecidas na Alocação de Água dos Vales do Jaguaribe e Banabuiú serão autuados”, explica Hermilson, referindo-se a metodologia de gestão e fiscalização aplicada pela Cogerh e pela Secretaria de Recursos Hídricos para garantir o cumprimento da decisão tomada pelos Comitês de Bacias acerca dos usos da água dos reservatórios.

Com a detenção da tecnologia, a Cogerh tem acesso diário a imagens de alta qualidade para identificar áreas sujeitas a fiscalização, onde valem algumas regras de restrição do uso da água, definidas nos seminários de alocação de água, por exemplo. O sistema, além de monitorar possíveis irregularidades em áreas de proteção próximas a açudes, pode auxiliar também na observação da qualidade da água e nos processos para obtenção de outorgas. Vamos ter condições de identificar desmatamento em alguma área do reservatório,além de agressões ao meio ambiente em torno os mananciais. “Sem dúvidas, o Estado passa a ter um monitoramento mais efetivo com a aquisição dessa tecnologia”, avalia João Lúcio Farias, presidente da Cogerh.

Sistema de água irregular

Plataforma

“A plataforma reúne soluções de acesso as imagens via satélite. Com elas, o técnico interpreta alguma alteração no local, utilizando ferramentas de filtragem, comparações, inclusive podendo fazer o download dos registros”, explica Ubiratan Vieira, da empresa local Geodata engenharia, representante local da Santiago & Cintra Consultoria.

 

Saiba mais

A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) passou a ter acesso diário a imagens de satélite de alta qualidade para identificar áreas sujeitas a fiscalização. No último dia 13 de junho a Companhia assinou contrato para obtenção das imagens com a empresa Santiago & Cintra Consultoria,  representante exclusiva da Planet Lab, que detém a tecnologia de satélites. O investimento no projeto foi da ordem de R$ 2 milhões e tem duração de, pelo menos, 3 anos, conforme contrato firmado entre as partes.

A companhia negocia, ainda, um protótipo de um “Sistema de Alerta”, um software que vai “avisar” quando encontrar mudanças entre períodos. “Quando o usuário fizer um desmatamento, construir um tanque, e encher alguma coisa o sistema vai notar a diferença tomando como base uma imagem anterior e uma mais recente, indicando que houve alteração no espaço”, explica Alves Neto, técnico de fiscalização. “ O sistema vai dar alertas. Então em vez de olhar pro sistema como um todo o técnico vai focar no que precisa ir”, completa.