O Comitê da Bacia Hidrográfica dos Sertões de Crateús elegeu na quarta-feira (27), na Cáritas Diocesana, em Crateús, a nova diretoria para o mandato 2024 a 2026, durante sua 20ª Reunião Extraordinária.

Por unanimidade, os integrantes da chapa Compromisso e Determinação foram eleitos, composta por:

Da esquerda para a direita: presidente, vice, secretária, secretário-adjunto

  • Presidente: Daniela da Silva Cavalcante, representante da Associação de Apicultores de Crateús (APICRAT)
  • Vice: José Lourenço Martins Torres, representante da Associação dos ovinocaprinocultores e agricultores da região do distrito de Irapuá (ASSOCRI)
  • Secretária: Euclídia Cordeiro Santiago de Paiva, representante do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Independência
  • Secretário-adjunto: Jaeger Holanda Pinho, representante da Prefeitura Municipal de Poranga

Avaliação da operação emergencial do açude Realejo

Além disso, houve a avaliação dos 15 dias de operação emergencial do açude Realejo, que está com 12,5 milhões de m³, equivalente a 39,2% de seu volume total.

Helder Lucena, Coordenador do Núcleo de Operação da Regional da Cogerh dos Sertões de Crateús, explicou como foi o monitoramento do consumo de água pelo Pivô Mucambo após o período da Alocação (01 à 15 de fevereiro de 2024) concedido pelo Comitê de Bacia.

Na ocasião, Helder falou da implementação de uma nova cultura (repolho) pelo proprietário em área de três hectares, além da diminuição da área explorada de feijão (na alocação foi previsto 25 ha e foi plantado 22 ha) e melancia (na alocação foi previsto 13 ha e foi plantado 10 ha) ambos no período de dezembro/2023 a Fevereiro/2024.

Na sequência, o Coordenador repassou ao colegiado os dados do consumo de uso da água bruta pelo pivô Mucambo durante a irrigação da cultura do repolho no período de 01/02 à 15/02 do corrente ano com base no monitoramento quantitativo realizado pela Cogerh, tanto no usuário (por meio de horímetro e teste de vazão) quanto no açude Realejo (por meio da leitura diária da régua limnimétrica).

Helder resumiu que, no citado período, a cota (321,39) permaneceu a mesma, o que demonstra que houve aporte no reservatório e o volume consumido pelo Pivô Mucambo representou apenas 6,39% do volume aportado pelo açude Realejo.

A reunião contou com 66,67% do colegiado presente.

Compartilhe: