Dados levantados vão ajudar a subsidiar ações de curto, médio e longo prazo na gestão e operação do reservatório

Após seis anos desde a última medição, o reservatório Arneiroz II, na região dos Inhamuns Cearense, passou por mais um processo de batimetria. O levantamento, que calcula o volume total do reservatório, durou 5 dias e apontou volume armazenado de 169,51 milhões de m³, valor que corresponde a 95,16%. O trabalho realizado utilizou tecnologia de GPS e instrumentos específicos para a análise, como o ecobatímetro, além de softwares próprios para a operação.

Com a batimetria realizada, torna-se possível, ainda, estimar a capacidade total do reservatório e, com isto, projetar subisídios para operações de alocação de água e perenização de rios, conforme explicou o gerente regional da companhia, Anatarino Torres. “Os dados colhidos a partir da batimetria dão subsídios para construção de cenários seguros para operações de curto, médio e longo prazo na gestão do reservatório”.

 

O processo de captação de informações do açude foi realizado por técnicos da própria companhia, sem contratação de serviços terceirizados. “Nossos técnicos passaram cinco dias percorrendo o açude, entre os dias 08 a 12 de junho. Com o açude quase cheio, a próxima batimetria deve demorar um pouco para ocorrer”, conforme explicou Anatarino Torres.

Saiba Mais:

A batimetria é a medição da profundidade dos oceanos, lagos, rios, barragens e represas. Basicamente o processo de batimetria tem como objetivo levantar a topografia do fundo de barragens e reservatórios. Com estes dados é possível verificar o sua capacidade volumétrica, volume da massa d’ água, dentre outros dados.

Compartilhe:

categorias: | Notícias
tags: # # #