Cogerh recebe pesquisadores internacionais em projeto de combate à seca

18/07/2019

Projeto é uma parceria entre organizações brasileiras e holandesas como a Universidade de Wageningen, a UFC e a Funceme. Os esforços se concentram a partir dos eventos de seca no Banabuiú e investigam formas de otimizar a gestão dos recursos naturais nesse cenário

A Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh) esteve reunida com pesquisadores do Projeto “3DDD” (Diagnosing drought for dealing with drought in 3D), um esforço conjunto de organizações brasileiras e holandesas, incluindo a Universidade de Wageningen (WU; Holanda); a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme); a Universidade Federal do Ceará (UFC) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O projeto foi pensado como uma caixa de ferramentas prática que melhore a preparação dos atores da governança de água e do clima para situações de seca, começando pelo nordeste do Brasil. A iniciativa é financiada pela Organização Holandesa de Pesquisa Científica (WMO).

Em visita a Cogerh, os coordenadores e pesquisadores residentes do projeto estiveram reunidos com o Diretor de Planejamento, Elano Joca, que apresentou a estrutura e as ações da Companhia. Os pesquisadores tiveram a oportunidade de tirar dúvidas acerca da gestão dos recursos hídricos e também da experiência que tiveram em visita de campo. Acompanhados pelo professor Francisco de Assis, o grupo também contava com estudantes da UFC, para onde se dirigiram em seguida.

O objetivo do projeto é desenvolver um método para fornecer informações apropriadas e contextualizadas para a governança hídrica e climática. Esta metodologia será feita por três projetos de doutorado e um pós-doutorado em diferentes áreas de conhecimento, que vão contribuir para as áreas de socio-hidrologia e governança hídrica. Os PhDs Pieter van Oel, Lieke Melsen e Art Dewulf atuam como supervisores do projeto, que deve seguir até 2023.

Sobre o 3DDD

O projeto D1 tem como objetivo construir indicadores de adequação das atividades em um território em relação às disponibilidades, gestão e transferências virtuais de água. O projeto D2 tem como objetivo analisar o potencial impacto das ações humanas nos recursos hídricos e o projeto D3 vai construir diálogos entre os atores para orientar a tomada de decisão sobre alocação da água.

De maneira geral, o projeto vai desenvolver e testar a caixa de ferramentas integrada e participativa a partir dos eventos de seca na região do Banabuiú. A perspectiva futura é que essa caixa de ferramentas possa ser usada para o monitoramento de seca em outras regiões do mundo, a partir de informações contextualizadas ao local, e permita que atores possam planejar suas ações para responder aos impactos da seca.

O projeto também tem aderência aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e pretende demonstrar como o gerenciamento de secas também influencia nas sinergias e trade-offs entre diferentes objetivos, principalmente entre os ODS 2, 6, 10 e 13, que envolvem água, saneamento, agricultura, redução da desigualdade e combate às mudanças climáticas.