Cogerh apresenta estrutura e operação do Açude Castanhão a membros do Comitê da região Metropolitana

17/07/2019

Momento faz parte das atividades da gestão compartilhada das águas, feita entre Cogerh e setores da sociedade, representada pelos Comitês de Bacia

O dia inteiro para conhecer os detalhes do sistema que abastece a região do Jaguaribe e, em tempos de maiores volumes acumulados, a região metropolitana de Fortaleza também. Foi com esse objetivo que membros do Comitê das Bacias Metropolitanas realizaram ontem, 16 de julho, uma visita técnica ao açude Castanhão e a Estação de Bombeamento local gerenciada pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos (Cogerh).

Sob a orientação da gerência metropolitana da companhia, o colegiado que representa as bacias metropolitanas conheceu o histórico e a operação do maior açude da américa latina, com extensão de 64 mil hectares. O grupo recebeu uma capacitação técnica  sobre o processo de distribuição da água nos 5 trechos do eixão das águas, explicado pelo técnico da gerência metropolitana, Rodrigo Vasconcelos e por técnicos da gerência de Limoeiro do Norte, responsáveis pela operação da estação de bombeamento (EB). “ Depois de definidas as vazões de distribuição dos açudes, o  bombeamento é realizado aqui. Nós fazemos os cálculos e operamos a vazão demandada. ” explicou Francisco Almeida, coordenador técnico do escritório regional de Limoeiro do Norte.

O grupo teve acesso às estruturas da barragem e pôde conferir de perto os sistemas de monitoramento e de abertura de comportas. Mantida pelo Dnocs, a barragem recebeu investimentos do governo federal e passou recentemente por reformas estruturais.

O momento faz parte das atividades da gestão compartilhada das águas, feita entre Cogerh e setores da sociedade, representada pelos Comitês de Bacia. “Só podemos defender aquilo que conhecemos. Essa capacitação, em todos os aspectos, desde a parte pedagógica, a parte técnica e a operacional, vai enriquecer todos os membros que estão aqui”, avaliou a secretária do Comitê das Bacias Metropolitanas, Cláudia Bezerra, referindo-se a importância da visita. “ Estamos todos empoderados e munidos de informações para defender  água para nossas comunidades”, refletiu.

Hoje, marcando apenas 5,14% do volume total acumulado, o Castanhão não está distribuindo água para a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), conforme decisão acertada com os Comitês de Bacias no Seminário de Alocação Negociada de Águas dos Vales do Jaguaribe e Banabuiú, ocorrido no último dia 4 de julho, em Limoeiro do Norte. Entretanto, a região do Jaguaribe continua sendo atendida pelo reservatório.